Modelo de Petições

Só mais um site WordPress

Modelo de Petição: Direito Civil e Processual Civil – Petição de Contestação – Ação Cautelar de Arresto – Trata-se de resposta à contestação em ação de arresto.

Trata-se de resposta à contestação em ação de arresto.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DR. JUIZ  DA ….. VARA DA JUSTIÇA FEDERAL DA CIRCUNSCRIÇÃO  DE …..

AUTOS N.º: ……

….., ….. sob a forma de Empresa Pública, com sede na Rua….., n.º ….., Bairro ….., Cidade ….., Estado ….., por seus advogados credenciados, instrumento de mandato anexo (doc. 01),  vem perante Vossa Excelência apresentar

RESPOSTA

à contestação proposta por ….., na ação de arresto, pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DO MÉRITO

1. Síntese da Contestação

Alega o demandado ser improcedente a presente ação, fundamentando-se, em apertada síntese, nos seguintes termos:

a) A autora não comprovou o estado de insolvência da Requerida, nem mesmo a lesão ou ameaça de lesão ao recebimento de seu crédito;

b) Não houve comprovação do fumus boni iuris e periculum in mora;

c) Não há interesse da autora em requer a cautelar de arresto, face a mesma possuir título executivo com garantia fidejussória.

Não assiste razão ao requerido. Senão vejamos:

I- Do fumus boni iuris e do periculum in mora

Aduz a reclamada inexistir os requisitos autorizadores para a concessão da cautela pretendida, face não restar demonstrado o fumus boni iuris e o periculum in mora. Sem razão a requerida.

Tem-se que os requisitos gerais essenciais para a propositura de qualquer medida cautelar encontram-se descritos no Art. 798 CPC, ipsis literis:

“Art. 798. Além dos procedimentos cautelares específicos, que este Código regula no Capítulo II deste Livro, poderá o juiz determinar as medidas provisórias que julgar adequadas, quando houver fundado receio de que uma parte, antes do julgamento da lide, cause ao direito da outra lesão grave ou de difícil reparação.” (g.n.)

Outrossim, estes requisitos foram sintetizados pelas denominações doutrinárias do periculum in mora e do fumus boni iuris, figuras que foram distorcidas pelo reclamante a fim de livrar-se dos efeitos da presente demanda.

O fumus  boni iuris situa-se no campo da possibilidade jurídica do pedido, ou seja, na previsão jurídica da medida postulada, bem como no atendimento dos requisitos para sua propositura. Nesse sentido leciona Humberto Theodoro Jr.:

“Esses requisitos, aliás, já se acham consagrados uniformemente pela doutrina e costumam ser sintetizados nos conceitos do fumus boni iuris e periculum in mora. O primeiro é situado no campo da possibilidade jurídica e o segundo no interesse”.

Destarte, pode-se conceituar o fumus boni iuris como a plausividade do direito substancial invocado por quem pretenda a segurança. Outrossim, atrelado a este conceito, tem-se a provável existência de um direito a ser discutido na demanda principal.

Portanto, não se faz necessária a prova inequívoca do dano, sendo  este requisito necessário para outros institutos processuais como a tutela antecipatória, não se confundindo com os requisitos necessários a este instrumento cautelar, meramente assecuratório.

Destarte, descabe a alegação de inexistência de comprovação do estado de insolvência, dado que apenas se faz necessário, para a procedência da cautela pleiteada, o fundado receio de dano.

Ora Vossa Excelência, este fundado receio encontra-se claramente demonstrado, visto que a Reclamada encontra-se inadimplente com suas obrigações contratuais e mais, por ter esta situação de inadimplência se ocasionado por mero desinteresse da Reclamada em quitar suas dívidas.

Tanto é assim que, em sua contradita, a Reclamada não expôs qualquer motivo que justifique a inadimplência, nem relatou as razões que a levaram a não levantar seu crédito junto ao….. e, munida deste, solver suas obrigações.

Destarte, preferiu a reclamante apenas alegar- sem qualquer fundamentação- a improcedência do pleito da autora, não expondo qualquer razão fática relevante que conduza a esta conclusão e desfaça este fundado receio de (provável) lesão.

Ainda mais consolidado fica o receio de lesão ao se verificar que a Reclamada trocou de domicilio sem sequer notificar a credora, informação abstraída da certidão lavrada pelo Sr. Oficial de Justiça de fls. …, demonstrando claramente que esta visa se ocultar e com isso dificultar ainda mais o recebimento do crédito pela autora.

Portanto, não há que se falar em inexistência do fumus boni iuris dado que este restou comprovado pela necessidade de se utilizar desta medida cautelar como forma de assegurar o êxito da ação principal, eis que o receio de dano ao direito de crédito advém de ações (mudança de domicilio) e omissões inequívocas da Reclamada (inadimplência das obrigações contratuais mesmo possuindo patrimônio suficiente para cumpri-las) que concluem pela sua intenção de lesar  o direito desta credora.

Em relação ao periculum in mora, não há necessidade de muitas delongas, uma vez que este é evidente diante das inúmeras hipóteses dispostas aos devedores inadimplentes para frustrar o recebimento de seus credores, podendo a reclamada, in casu, ceder seu crédito e dispor de seu patrimônio, sem reservar qualquer valor para a quitação de sua dívida. Ora, se a reclamada assim proceder, que remédio utilizará esta credora para o recebimento de seu crédito?

Portanto, Vossa Excelência, a única medida disponível no direito pátrio para evitar os danos porventura vindouros é a medida cautelar de arresto ora pleiteada.

Outrossim, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, basta para a concessão do arresto o risco de dano e o perigo da demora, conforme julgado transcrito:

“Considerando que a medida cautelar de arresto tem a finalidade de assegurar o resultado prático e útil do processo principal, é de concluir que as hipóteses contempladas no art. 813, CPC, não são exaustivas, bastando, para a concessão do arresto, o risco de dano e o perigo da demora”. (STJ-RT 760/209)

Dissolvendo esta obscuridade basta que se fixe as seguintes premissas:a) A reclamada encontra-se ciente de seu débito, sendo este líquido e certo, bem como demonstrado por prova inequívoca; b) a Reclamada possui numerário para quitação de suas obrigações, c) a Reclamada não quitou sua divida, mesmo após o ajuizamento da presente, bem como modificou seu domicilio sem notificar a credora, furtando-se do dever de adimplir com suas obrigações.

Assim, por um simples juízo lógico fica demonstrada a presença do periculum in mora e fumus boni iuris, pelo risco de dano e perigo da demora.

2.Ônus probandi

Alega a Reclamante inexistir prova nos autos que permita a procedência da medida, devendo a autora comprovar inequivocamente que “a alienação fraudulenta ou a insolvência da requerida”.

Data muitíssima vênia, a autora está a contestar demanda diversa. Isso porque a presente ação não se embasa em uma alienação fraudulenta ou insolvência da requerida.

Conforme se depreende da peça inaugural, o pleito se embasa no Art. 813, inc II, alínea “b”, in verbis:

“Art. 813. O arresto tem lugar:
II- quando o devedor, que tem domicílio:
a) se ausenta ou tenta ausentar-se furtivamente;
b) caindo em insolvência, aliena ou tenta alienar bens que possui; contrai ou tenta contrair dívidas extraordinárias; põe ou tenta por os seus bens em nome de terceiros; ou comete outro qualquer artifício fraudulento, a fim de frustrar a execução ou lesar credores;”

Portanto, o pleito se fundamenta na parte final do dispositivo citado, parte esta que possui sentido ampliativo, abrangendo a conduta da autora já descrita em tópico pretérito.

Outrossim, apenas para elucidação, tem-se que esta possibilidade legal foi inserida justamente para possibilitar a amplitude na utilização desta medida cautelar  de arresto, dando sentido amplo, genérico e inespecífico, características indispensáveis a este instituto processual, conforme leciona Humberto Theodoro Jr:

“Não merece elogios o Código por ter voltado ao sistema casuístico do Reg. 737, que não coaduna com o moderno conceito da medida cautelar como remédio amplo, genérico, inespecífico quanto possível, a fim de amoldar-se à imprevisível variedade com que podem ocorrer as situações de perigo de dano ao processo”.

Assim, o artifício fraudulento utilizado pela devedora consiste na ocultação de crédito e conseqüente adimplemento proposital da dívida, constituindo-se, assim, em um ato omissivo, portanto.

Ora, desta forma a própria exposição da omissão da devedora já traz “in re ipsia” a prova necessária para o deferimento da pretensão, bastando, portanto que se prove documentalmente a dívida líquida e certa a ser discutida nos autos principais. Tanto é assim que o próprio Art. 814, inc II, expõe:

“Art. 814 Para a concessão do arresto é essencial:
I- prova literal da dívida líquida e certa
II- prova documental ou justificação de algum dos casos mencionados no artigo antecedente.”

Destarte, cumpriu a autora com seu ônus probandi ao apresentar as razões que a impulsionaram a ajuizar a presente medida, bem como comprovar documentalmente a legitimidade de seu crédito e a existência de patrimônio em nome da autora capaz de saldá-los.

No entanto, quem efetivamente deixou de cumprir com seu ônus probatório foi a própria demandada. Isso porque, além de não justificar sua inadimplência, não apresentou qualquer documentação que comprove possuir patrimônio suficiente para a quitação de suas obrigações.

DOS PEDIDOS

Assim, pela omissão da Reclamada deve-se concluir pela procedência do fundado receio desta peticionaria, dado que não há qualquer prova que o dissolva.

Outrossim, a reclamada, em nenhum momento, contestou a existência de seu débito junto a esta instituição, bem como não contraditou as alegações de inadimplemento proposicional. E, conforme determina Art. 302 CPC, presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]

__


________

________

Categoria: Civil e Processual Civil, Petições
Palavras-Chaves: , , , ,

Banco de Petições e Contratos: 4744 Petições e Contratos Disponíveis







Comentar