Modelo de Petições » » Modelo de Petição: Direito Civil e Processual Civil – Petição Inicial – Mandado de Segurança com Pedido de Liminar – Mandado de segurança ante a condição de licenciamento de veículo ao pagamento de multa.

Modelo de Petições

Só mais um site WordPress

Modelo de Petição: Direito Civil e Processual Civil – Petição Inicial – Mandado de Segurança com Pedido de Liminar – Mandado de segurança ante a condição de licenciamento de veículo ao pagamento de multa.

Mandado de segurança ante a condição de licenciamento de veículo ao pagamento de multa.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ….. VARA CÍVEL DA COMARCA DE ….., ESTADO DO …..

….., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ….., portador (a) do CIRG n.º ….. e do CPF n.º …..,  residente e domiciliado (a) na Rua ….., n.º ….., Bairro ….., Cidade ….., Estado ….., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo – doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ….., nº ….., Bairro ….., Cidade ….., Estado ….., onde recebe notificações e intimações,  vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência impetrar

MANDADO DE SEGURANÇA COM PEDIDO LIMINAR

em face de

ato do Sr. Dr. Delegado de Polícia Diretor da …..ª Ciretran de …… (SP), ou quem as suas vezes fizer, com sede na Rua ….., n.º ….., Bairro ….., Cidade ….., Estado ….., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O Impetrante é proprietário do veículo abaixo especificado, licenciado nesta cidade de ……. (SP), conforme comprovam os documentos juntados: (especificar)

Ao tentar proceder o licenciamento do referido veículo, fora surpreendido com a notícia da existência de multas de trânsito e que teriam sido lavradas sob os números abaixo listados, na forma dos documentos juntados: especificar

Observa-se que embora não tenha notificado o Impetrante na forma da lei, a autoridade coatora está a exigir o pagamento das multas e com os valores corrigidos monetariamente para renovar o licenciamento do veículo;

DO DIREITO

Tal procedimento é ilegal e não encontra guarida em nossos normativos vigentes;

O art. 210 do Decreto nº 62.127, de 16.01.68, modificado pelo Decreto nº 98.933, descaracteriza o auto de infração como instrumento de notificação. E a Resolução nº 568 de 25 de novembro de 1.980 em seus artigos 1º, 2º e 5º “caput”, expedida pelo CONTRAN estabelece clara distinção entre o auto de infração e o lançamento;

Portanto, na forma das disposições legais mencionadas, uma vez lavrado o auto de infração com a especificação da infringência, somente após a submissão ao crivo do Órgão competente poderá ser aplicada a penalidade, da qual o condutor ou proprietário será notificado para, querendo, apresentar defesa no prazo de 30 dias;

Assim, para que haja a imputação da multa e da correção monetária relativamente à penalidade aplicada, nos termos do art. 242 do RCNT, há que se dar o direito de defesa, por via de notificação. O simples auto de infração, não cumpre essa finalidade, conforme, aliás, é o pacífico entendimento de nossos Tribunais;

Nenhum dos procedimentos exigidos fora adotado. O Impetrante desconhecia a existência de tais multas, não fora notificado de tal e não lhe permitiram o direito da ampla defesa e do contraditório como, aliás, determina o art. 5º – LV da Constituição Federal;

No que se refere à aplicação da correção monetária sobre os valores originais das multas aplicadas, cumpre observar que o procedimento é ilegal, de vez que a sua incidência somente ocorre nas situações em que os débitos sejam regularmente apurados, o que, destarte, não é o caso presente, onde estamos de frente com títulos ilíquidos e inexigíveis;

Com efeito, inexiste em nossa legislação, o direito do credor exigir “manu militari” o pagamento de pretenso débito e sob a forma coercitiva. Se o Estado entende pela procedência de seus atos, existem as formas de execução de títulos judiciais ou extrajudiciais para a integral satisfação dos seus interesses. Em todas elas, entretanto, está assegurado o direito do contraditório e de ampla defesa para o devedor;

O Estado, dizendo-se credor, tem nas mãos o instrumento legal para satisfação do seu pretenso crédito – a Execução Fiscal;

A intransigência do agente coator vem trazendo prejuízos para o Impetrante que, em decorrência, vê-se na iminência de paralisar a utilização de seu veículo, aguardando solução do impasse, sob pena de, em não fazendo, sujeitar-se a pesadas penalidades pela utilização do veículo com documentação irregular.

1.DO “FUMUS BONI IURIS” E “PERICULUM IN MORA”.

Demonstrados que se encontram presentes as circunstâncias que justificam a concessão da liminar que seja: o “fumus boni iuris” que consiste no comando emanado das disposições constitucionais e legais abordadas e o periculum in mora que consiste na possibilidade provável de imputação de enormes prejuízos para a Impetrante que se vê às voltas com a atitude coercitiva do Impetrado fato que, uma vez não concedida a liminar, o que não se espera, tornará inócua a segurança pleiteada.

DOS PEDIDOS

Posto isto, é a presente para requerer a concessão de liminar que permita ao Impetrante licenciar seu veículo sem o pagamento das multas aplicadas e determinando que as multas possam ser recolhidas posteriormente ao licenciamento, e que afinal, seja concedida definitivamente a segurança impetrada com a consequente confirmação da liminar.

Dá-se à causa o valor de R$…..

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]

__


________

________

Categoria: Civil e Processual Civil, Petições
Palavras-Chaves: , , , , , , , ,

Banco de Petições e Contratos: 4744 Petições e Contratos Disponíveis







Comentar