Modelo de Petições

Só mais um site WordPress

Modelo de Petição: Direito Penal e Processual Penal – Petição de Revogação de Prisão Preventiva – Ação Penal – Pedido de revogação de prisão preventiva por crime de atentado violento ao pudor.

Pedido de revogação de prisão preventiva por crime de atentado violento ao pudor.

 

EXCELENTÍSSIMO JUIZ DE DIREITO DA ….ª VARA CRIMINAL DA COMARCA DE ………..- ESTADO DO ….

AUTOS Nº …..

….., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ….., portador (a) do CIRG n.º ….. e do CPF n.º …..,  residente e domiciliado (a) na Rua ….., n.º ….., Bairro ….., Cidade ….., Estado ….., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo – doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ….., nº ….., Bairro ….., Cidade ….., Estado ….., onde recebe notificações e intimações,  vem, mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência, requerer

REVOGAÇÃO DE PRISÃO PREVENTIVA

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Como se observa da leitura dos autos, o representante do Ministério Público em exercício nessa Vara Criminal denunciou o réu como incurso nas penas do art. 214, cc os arts. 224, letra “a”, 225, § 1º, inc. II, do Código Penal, o qual encontra-se preso e recolhido no xadrez da Delegacia local, à disposição desse Juízo, por ter sido decretada sua prisão preventiva (fls. …), para garantia da ordem pública, para assegurar a aplicação da lei penal, por conveniência da instrução criminal e para garantir a segurança da vítima.

A revogação da prisão cautelar é medida que se impõe, vez que segundo a jurisprudência, é imprescindível a demonstração de que a ordem pública se veja ameaçada com a liberdade do acusado, o que não se vislumbra nos presentes autos.

O requerente encontra-se plenamente em condições de responder o processo penal em liberdade, pois trata-se de réu primário, sem antecedentes criminais, conforme inclusas certidões. Além disso, possui profissão definida, embora de difícil comprovação, pois é trabalhador autônomo.

Por outro lado, não existe o menor risco à ordem pública, bem como qualquer possibilidade de frustrar a aplicação da lei penal, tendo em vista que o réu não participou da fuga em massa ocorrida no último dia …./…., conforme atesta a inclusa declaração, permanecendo na sua sela.  Assim, com sua conduta, o réu demonstrou de forma inequívoca que não pretende criar obstáculos à instrução processual e não pretende voltar-se contra a vítima e sua família, pois, teve a oportunidade de ter sua liberdade restabelecida, através da fuga, preferindo permanecer preso.

DO DIREITO

O art. 316 do Código de Processo Penal dispõe que “o juiz poderá revogar a prisão preventiva se, no decorrer do processo, verificar a falta de motivo para que subsista, bem como de novo decretá-la, se sobrevierem razões que justifiquem”.

Segundo a doutrina e a jurisprudência, a medida constritiva de caráter cautelar, exarada de forma a coagir a liberdade individual, somente deve ser mantida quando absolutamente indispensável.  Ortolan, vendo a prisão preventiva como atentado contra o direito individual à liberdade, diz que ela somente se justifica se tiver por objetivo evitar a fuga do indiciado à justiça:

“O objetivo da prisão preventiva é evitar que o indiciado fuja à ação da justiça. Por este motivo a idéia de necessidade social casa-se com a idéia de justiça, porque é um dever para todos responder em Juízo pelas acusações que lhe aí são feitas;  e, por isso, é que esta qualidade é denominada custódia.  Onde faltar este motivo, deve cessar a prisão preventiva” ( “Apud” Borges da Rosa, “in” Comentários ao Código de Processo Penal, Ed. Revista dos Tribunais, 1982, pág. 418).

O Tribunal de Alçada do Estado do Paraná, em sessão de julgamento do HC n.º 191/89 – Ac. n.º 215 – tendo como relator o Juiz Sérgio Mattioli, decidiu:

“1 – A prisão preventiva, é medida de exceção, somente decretável, em situações especiais, presentes as hipóteses que a autorizem, como garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal ;

2 – Ausentes os motivos previstos no art. 312 do CPP, tratando-se de réu primário, sem antecedentes, com profissão definida e residente no foro delicti, o Decreto Judicial, carente de suporte e fundamentação, configura coação ilegal, amparável por via de Habeas Corpus – Ordem de Habeas Corpus concedida  ao efeito de revogar o Decreto  de Prisão Preventiva”.

Daí a irresignação do réu com relação ao decreto de sua prisão preventiva.   As atuais circunstâncias não mais demonstram a recomendação da custódia, tanto no que se refere à sua própria pessoa, quanto ao seu comportamento após a ocorrência dos fatos noticiados.  Ora, o agente que tivesse a clara intenção de fugir à ação da justiça, certamente não mais estaria residindo no distrito da culpa, no mesmo endereço em que foi preso;  o agente que tivesse a clara intenção de criar obstáculos à justiça, furtar-se à aplicação da lei; ameaçar ou causar mal maior à pequena vítima, certamente teria participado da noticiada fuga em massa do xadrez da Delegacia local.
Assim sendo, tendo sido demonstrado que as atuais circunstâncias não mais acenam a recomendação da custódia preventiva do réu, torna-se imperiosa sua revogação, como permite a lei.

DO PEDIDO

Ante o exposto, espera o requerente que, num gesto de justiça, haja por bem V.Ex.a. revogar o decreto da prisão preventiva, determinando-se a expedição do respectivo alvará de soltura.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]

__


________

________

Categoria: Penal e Processual Penal, Petições
Palavras-Chaves: , , , , ,

Banco de Petições e Contratos: 4744 Petições e Contratos Disponíveis







Comentar